X
(47) 9 9197-0836 contato@scaladb.com.br

Dicas em acústica de ambientes

Como elaborar um mapa de ruídos para classificação de fachadas?

Como elaborar um mapa de ruídos para classificação de fachadas?

O objetivo de um mapa de ruídos é avaliar os níveis sonoros que impactarão nas torres/blocos residenciais de um futuro empreendimento, visando à classificação das fachadas conforme a norma ABNT NBR 15575-4:2021.

O relatório apresenta as premissas gerais assumidas para o estudo acústico, relaciona os critérios e requisitos de desempenho apresentando os resultados calculados do estudo de impacto sonoro permitindo a classificação das fachadas.

Os resultados devem ser usados para fins de dimensionamento das esquadrias em termos de isolamento a ruído aéreo a fim de garantir o conforto acústico interno das unidades habitacionais, também é utilizado para uma análise inicial do terreno para definição de compra.

O mapa de ruídos é elaborado através de 3 etapas principais. São elas:

1. Medições de ruído em campo: é a caracterização dos níveis sonoros existentes, através de medições de níveis de pressão sonora em pontos estratégicos da região, a fim de determinar as características das principais fontes de ruído (tráfego rodoviário, ferroviário, aeronáutico, etc.).

2. Simulação computacional: as medições realizadas na primeira etapa são usadas como dados de entrada para um modelo computacional tridimensional, levando em consideração a região de entorno existente e a implantação do empreendimento futuro.

3. Avaliação e análise: a partir do modelo computacional tridimensional, podem ser calculados os níveis de ruído impactando cada fachada e pavimentos.

Medições de ruído em campo

Para ter uma avaliação completa das fontes sonoras da região, são realizadas medições vários pontos nos arredores do empreendimento, a quantidade de pontos e localização é definida pelo técnico de forma estratégica a fim de englobar todo o terreno para uma melhor amostragem de caracterização do ruído. As medições são realizadas de acordo com o procedimento da norma federal NBR 10151:2019 e as boas práticas nacionais em termos de avaliação de ruído ambiental, em condições normais de operação da região.

Uma colocação importante: as medições devem ser feitas sem interferência audível de fenômenos naturais como por exemplo, trovões e chuva. Qualquer umas dessas interferência inviabiliza a medição.

É utilizado um medidor de nível de pressão sonora (sonômetro), devidamente calibrado em laboratório RBC. Os microfones devem estar localizados a no mínimo 1,5 metros do nível do solo, e pelo menos 2 metros de superfícies refletoras. O tempo de duração de cada medição varia de acordo com o fluxo de veículos, em função da estabilização do nível equivalente e do caráter do ruído.

Simulação computacional

Em primeiro lugar é modelada a geometria da região: edificações, muros, obstáculos, vegetação, topografia, etc. Em seguida, as fontes sonoras são configuradas a partir das medições realizadas em campo. Enfim, são inseridos receptores (pontos em localização específica no empreendimento, em pavimentos e ambientes tais como quartos e para calcular os níveis sonoros impactando cada fachada.

As equações de propagação acústica no ar livre são funções da distância entre os diferentes objetos do modelo (fontes, obstáculos e receptores). O controle da geometria do modelo é então um fator primordial para o cálculo de mapas de ruído e níveis sonoros.

O modelo geométrico da região é criado a partir de desenhos técnicos fornecidos pelo cliente, das imagens de satélite do Google Earth, das curvas de nível de banco de dados (GIS) e das fotos do Google StreetView. A construção do modelo é realizada de tal forma a garantir o georreferenciamento do mesmo, em coordenadas UTM – WGS84.

Todas as edificações relevantes num raio de aproximadamente 250 a 500 metros são modeladas, com suas devidas alturas e características acústicas em termos de absorção e difração.

Avaliação e análise

Para análise da região do empreendimento, é coletado o ruído predominante da localidade (podendo ser ruído rodoviário, ferroviário, aeronáutico ou um conjunto de ruídos).

Os resultados são expostos em mapa de ruído horizontal e vertical, gerado por um software específico, que apresenta resultados e classificações por fachadas, que podem ser facilmente identificados através de uma escala de cores.

Mapa de ruído rodoviário horizontal entorno do terreno em estudo

Mapa de ruído rodoviário vertical entorno do terreno em estudo

Corte transversal das ruas principais até o centro do terreno em estudo

A norma ABNT NBR 15575-4:2021 define 03 categorias, são elas: I, II e III, em função do nível de pressão sonora equivalente LAeq de cada fachada, e indica ainda que “para a determinação da Classe de Ruído, considera-se o maior valor de LAeq incidente nas fachadas em que há dormitórios”.

A partir destas análises é realizada a conclusão final, definindo as classes de ruídos em que o empreendimento se enquadra, como também indicações e orientações de esquadrias e requisitos normativos que devem ser atendidos.

É importante pontuar que cada fachada do empreendimento pode ter classes de ruídos iguais ou diferentes, e que as esquadrias podem ser escolhidas através desse resultado otimizando o custo da obra, e é por esses e outros motivos que se torna tão importante a contratação deste serviço, pois como já colocado no início deste artigo.

Modelo de Predição CNOSSOS

Existe também um método alternativo, criado na Europa (mas também aplicável no Brasil), para avaliar a exposição ao ruído, a fim de reduzir a poluição sonora, este método é conhecido como o CNOSSOS/EU.

O CNOSSOS representa um método harmonizado para avaliar os níveis de ruído a partir das fontes de ruído rodoviário, ferroviário, aéreos, industriais.

Para esse método é utilizado alguns atributos específicos, como modelagem das emissões de ruído, atribuição dos níveis de ruído a população da região, a caracterização de veículos e pavimentos mais próximos da realidade da cidade.

Embora esse modelo considere também o efeito de aceleração e desaceleração devido à presença de semáforos, a melhor representação ocorreu sem o uso de semáforos.

Abaixo uma tabela representativa apresentando os atributos utilizados para a realização desse modelo de predição para as fontes de emissão e propagação de ruído.

Fonte: https://repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/58445/1/2020_eve_ngdempeixoto.pdf

Tags:

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Falar com atendente
Precisa de ajuda?
by Scala Acústica
Olá
Podemos te ajudar?